Metade dos municípios mineiros não oferece ambientes que favoreçam qualidade de vida aos idosos

Socialização é importante para melhorar a qualidade de vida dos idosos

Em cerca de 50% dos 853 municípios mineiros, o ambiente é pouco favorável para as pessoas com mais de 60 anos. Segundo o Índice de Condição de Vida para os Idosos (ICVI), lançado nessa quarta-feita (26) em Belo Horizonte, em 415 cidades a situação varia de regular a péssima. O indicador, que vai de 0 a 1, leva em consideração renda, educação, demografia, acesso a moradia e saúde e os direitos de quem está na terceira idade. Nessas localidades, a “nota” ficou entre 0,21 e 0,54.

Boa parte dos municípios “reprovados”, de acordo com o levantamento, fica na porção Norte do Estado, onde estão regiões como os vales do Jequitinhonha e do Mucuri. Já na porção Sul, englobando, por exemplo, o Triângulo Mineiro, a região Central e a Zona da Mata, a variação está entre 0,54 e 0,83, ou seja, entre “boa” e “excelente”.

O ICVI, realizado pelo Observatório Mineiro da Pessoa Idosa, parceria entre PUC Minas e Assembleia Legislativa, não divulgou dados separados por município, exceto o de BH (0,76), considerado excelente.

De acordo com a coordenadora do Observatório, Karina Junqueira, o objetivo não foi fazer um ranking das cidades, mas, sim, mostrar a realidade de cada uma, o que servirá de base para o planejamento de políticas públicas. “Fizemos um retrato da realidade mineira para visualizarmos como estão vivendo os idosos. Existe uma ideia de que a condição das pessoas idosas está ligada apenas à saúde, mas há muitos outros fatores envolvidos”, frisou.

O mapa traçado revela uma relação do índice com outros indicadores, como renda e habitação. A gerente de acompanhamento e avaliação de políticas públicas da Assembleia, Regina Magalhães, revelou que isso já era esperado e destacou as disparidades entre as regiões mais próximas ao semiárido mineiro com as do Sul do Estado. “As cidades com melhor qualidade de vida para a população são as que apresentam melhor situação para o idoso. Esses dados poderão servir para o governo direcionar ações para as áreas mais problemáticas”, apontou.

Gargalo

Para o coordenador do Movimento Pró-idoso, Carlos Alberto dos Passos, mesmo com o bom resultado do índice na capital, o grande problema na cidade continua sendo a saúde. “Queremos um tratamento digno. Os medicamentos continuam caros e o atendimento fica a desejar. Também faltam informações. Quando o idoso é bem informado, ele procura o atendimento adequado”, observou.
Karina Junqueira reforçou que a saúde foi o grande gargalo para o levantamento do índice. “Nem todos os municípios fazem registros como, por exemplo, as internações por doenças que poderiam ser tratadas nas unidades de saúde. Esse foi um dos dados que muitos municípios não tinham e, por isso, não foi utilizado para compor o indicador”. Os demais dados levaram em consideração o Censo de 2010.

Espaço para atividade física e muito bate-papo

Engana-se quem pensa que casas de convivência para idosos são apenas os famosos asilos, onde eles moram e só saem para passeios. No bairro Cidade Jardim, zona Sul de BH, um espaço de luxo reúne, diariamente, pessoas com idade superior aos 60 anos que vão para lá praticar atividades físicas e bater papo. Ao fim do dia, elas voltam para o aconchego do lar, ao lado da família. Os que não têm com quem ficar em virtude da viagem de um parente podem passar temporadas no local.

A ideia é que no Exclusive Idade, inaugurado há três meses, os frequentadores – a maioria mulheres – se movimentem e tenham melhor qualidade de vida. Fundadora do espaço, Sirlene Josefa da Silva Arantes explica que o objetivo da casa é oferecer saúde, afeto e lazer. “O público feminino está crescendo e muitas vezes fica doente pela falta de atividade física e convívio social”, frisou.

Que o diga Maria Glória Barbosa da Silva, de 82 anos. Ela foi uma das primeiras clientes e, duas vezes por semana, pratica pilates, faz terapia ocupacional e conversa com as amigas.

A idosa conta que, antes de conhecer o local, frequentemente se esquecia de detalhes do dia a dia. “A mente estava muito ruim e tinha dificuldades para andar e abaixar. Agora eu melhorei muito. Renovei uns dez anos”, comemora.

Já para Dyla de Araújo Nunes, de 94 anos, o importante mesmo foi ampliar a convivência social. “É uma maravilha! A gente encontra as amigas, conversa bastante”. Além da terapia ocupacional e do pilates, ela não dispensa as sessões de massagem.

Para tanta regalia, porém, os valores são altos. Um dia na casa custa R$ 250, incluindo, por exemplo, cinco refeições e atividades físicas. Para quem opta pelo mês inteiro, com permanência de 7h às 19h, em cinco dias da semana, o valor ultrapassa os R$ 3 mil. Também é possível arcar apenas com os exercícios físicos.

O imóvel de mil metros quadrados tem três andares, com quartos para descanso, refeitório e sala para exibição de filmes. As refeições para os idosos são balanceadas.

A expectativa é a de que a casa passe a oferecer hospedagem de longa permanência a partir de janeiro.

Índice de Condição de Vida

0,21 a 0,38 Péssimo
0,38 a 0,47 Ruim
0,47 a 0,54 Regular
0,54 a 0,62 Bom
0,62 a 0,83 Excelente











Fonte: hojeemdia.com.br

7 Sinais de dor de cabeça que não se pode ignorar


Não existe ninguém que nunca tenha tido uma cefaleia, nome técnico para a famosa dor de cabeça. Quando surge essa incómoda dor, procura-se métodos eficazes e rápidos para a eliminar.

Umas pessoas procuram descansar num lugar silencioso, outras tomam um paracetamol, outras arranjam chás para dor de cabeça, enfim, existe um sem fim de métodos de atenuar e eliminar as dores de cabeça.

Dor de cabeça repentina
Se lhe surgir uma dor de cabeça repentina e extremamente forte num espaço de segundo, é sinal de alarme. Este é um sinal tipico de um aneurisma e que não deve ser ignorado. As dores de cabeça normais surgem levemente e são progressivas.

Dor de cabeça com sintomas neurológicos
Com a chegada da dor, se sentir alguma alteração na sensibilidade, na visão, na fala ou no andar, receia-se de um tumor, abcesso, isquemias, trombose, etc. Portanto, a rápida assistência é fundamental.

Dor de cabeça com sintomas de infecção
Quando surge a febre, significa infecção. Como tal, corra a um médico se tiver dor de cabeça acompanhada com febre, dores no corpo, náuseas, manchas no corpo, calafrios, pois poderá estar perante uma menigite, abcesso cerebral, sinusite ou dengue. Claro que, estes podem ser igualmente sintomas de uma simples gripe ou virose mas, o médico é a pessoa indicada para diferenciar o problema.

Dor de cabeça provocada pelo esforço
Quando se faz exercício fisico ou um esforço maior que provoque imediatamente uma dor de cabeça, associa-se a uma distenção ou ruptura de aneurisma cerebral, portanto, é importante verificar juntamente com o médico.

Dores de cabeça em pessoas doentes
Pessoas que sejam debilitadas e reincidentes de AVC, tumores, grávidas, idosos, etc., merecem uma maior preocupação pela sua vulnerabilidade. Todo o cuidado é pouco para estas pessoas.

Dor de cabeça progressiva
A dor de cabeça que vai piorando a cada dia que passa é um grande motivo para procurar rapidamente um médico. Este é um tipo de lesão que ocupa espaço no cérebro, como por exemplo, um tumor, abcesso, etc.

Dor de cabeça depois de sofrer um traumatismo craniano
Depois de sofrer um traumatismo craniano, deverá ter muitas preocupações e estar atento aos sintomas que podem surgir. Este trauma pode criar inchaço, contusões ou mesmo sangramento dentro e fora do cérebro. Sintomas como sonolência ou confusão, sangramento pelo ouvido e nariz ou, na dúvida, de um outro sintoma deve sempre dirigir-se a um médico.

Atenção que, destaquei apenas, de um modo geral, os sinais de dor de cabeça que não deve ignorar, não sendo uma regra absoluta a seguir. Este blog é meramente informativo e nada do que é aqui escrito faz dispensar a consulta do médico, portanto, se sentir incomodado com a dor, consulte o seu médico.




Fonte:www.colmeia.blog.br

Ladrão armado assalta funerária no sul de Minas

Um ladrão invadiu e e assaltou uma funerária em Paraguaçú, no sul de Minas Gerais.

Câmeras de segurança registraram toda a ação do criminoso. Ele chegou encapuzado, e, usando um alicate hidráulico, quebrou a porta de vidro do estabelecimento. Um cliente viu o criminoso chegar e foi embora correndo.

Já dentro do guichê, ele ameaçou uma funcionária com uma arma e a obrigou a colocar dinheiro dentro de uma sacola. Em seguida, foi até uma outra sala mas voltou e começou a revirar gavetas.

Por fim, o bandido fugiu com a sacola cheia de dinheiro, a arma e as ferramentas na mão.





Fonte: R7

A importância da música na sua vida


Você costuma ouvir música? A maioria das pessoas aprecia essa linda forma de arte, que provoca sensações prazerosas e, dependendo do gênero, mais tranquilidade. Dentro do ônibus com os fones no ouvido, em casa, sintonizado em alguma rádio, no carro ouvindo um CD, ou no computador, durante o serviço: uma música cai sempre bem.

Porém, a música vai além da sensação agradável que você experimenta. Ela é muito importante para o seu bem-estar e até mesmo para a sua saúde. Sabia? A ciência explica.

Dois pesquisadores analisaram 155 estudos a respeito dos efeitos neuroquímicos da música e encontraram evidências de que essa manifestação artística beneficia a saúde, desempenhando um importante papel na vida das pessoas.

Os benefícios e a importância na música
Segundo o professor Daniel J. Levitin, a música tem a grande capacidade de beneficiar a vida das pessoas. Ela atua na imunidade, no estresse, no temperamento e nas interações sociais. Conheça a importância dessa arte.

Fortalece o sistema imunológico
Alguns tipos de música têm a capacidade de provocar uma reação de aumento da imunoglobulina A, que é um anticorpo essencial para a defesa do organismo. Além disso, essas músicas elevam a produção de glóbulos brancos que defendem o corpo contra germes.

Melhora o humor
A música também pode diminuir os níveis de cortisol, que é o hormônio responsável pelo estresse, e aumentar os níveis de oxitocina, capaz de elevar o bem-estar.

Ao ouvir música, o organismo libera a dopamina, um neurotransmissor que proporciona prazer. Com mais bem-estar e mais prazer, aquela sensação de mau-humor desaparece.

Favorece as interações sociais
Com bom humor e prazer, as relações sociais tendem a melhorar. Lembrando que o hábito de se reunir com os amigos para escutar música, nesse sentido, é muito importante. Indivíduos mais tímidos e retraídos podem encontrar na música uma forma de se expressar.

Mais energia para realizar atividades físicas
A música pode desempenhar um importante papel na hora de fazer aquele exercício físico tão custoso, pois funciona como um estimulante e diminui a fadiga, o cansaço e a preguiça.

Beneficia a saúde mental
Em casos de distúrbios, síndromes e deficiências, a música já vem sendo utilizada como tratamento se mostra muita eficaz. A musicoterapia favorece a comunicação com pacientes em recuperação e possibilita a autoexpressão.

 Mais disposição para as atividades diárias
Como diminui o estresse e melhora o humor, a música também dá um impulso para realizar as atividades diárias com muito mais disposição.

Melhora a dor e a ansiedade
Diminuindo a frequência cardíaca e arterial, a música pode ajudar a reduzir a tensão, a dor e a ansiedade, melhorando a qualidade de vida de quem está doente. Por isso, a musicoterapia também vem sendo utilizada como aliada nos tratamentos de doenças como o câncer, doenças respiratórias e doenças cardíacas.

Que tal ouvir uma música agora?
Como você pode ver, são vários os benefícios dessa atividade tão prazerosa que é ouvir música. Se o dia está sendo estressante, não espere mais tempo. Traga a música para perto de você ouça Web Rádio Épocas. Lembrando que tocar um instrumento ou cantar também podem ser atividades extremamente agradáveis.

Gostou deste artigo? Mostre-o para outras pessoas e não deixe de comentar!




Fonte:www.colmeia.blog.br/Escrito por: Daysi Pacheco

Gambá deixa 60 mil sem energia no Sul de Minas

Gambá entra em estação e causa curto que deixa 60 mil sem energia em Alfenas (Foto: Assessoria de Imprensa Cemig)

Um gambá que ficou preso em uma subestação de energia em Alfenas (MG) causou um apagão que deixou mais de 60 mil consumidores sem luz na manhã desta quinta-feira (5) em três cidades do Sul de Minas. Segundo a assessoria de imprensa da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), o problema afetou moradores e Alfenas, Poço Fundo (MG) e Areado (MG).

A interrupção de energia durou cerca de uma hora, entre 5h e 6h. O animal entrou em uma barra de 13,8 KV, o que causou um curto-circuito e fez com que a estação fosse desativada.


Ainda conforme a Cemig, o fornecimento de energia foi normalizado às 6h10.





Fonte: Informações G1

Chuva dobra volume útil de água na Represa de Camargos em Itutinga

Nível da represa de Camargos melhorou com as últimas chuvas no Sul de MG (Foto: Reprodução EPTV)

Apesar da estiagem, a chuva que atingiu região nos últimos três dias melhorou a vazão da Represa de Camargos, em Itutinga (MG).  O nível de água dobrou com a chuva, que amenizou a situação crítica do reservatório.

No final da última semana, o volume útil era de 0,40% e agora está em 0,80%, o que pode não parecer muito, mas já faz a usina afastar o risco de não poder gerar mais energia. De acordo com o gerente do distrito do Rio Grande, José Marcílio Carvalho, a situação melhorou e a cidade está sendo abastecida normalmente. “Nós vamos continuar com o melhor aproveitamento da água, com canalização e pedimos que a população continue consciente”, disse.

Já a vazão, que antes da estiagem ficava em torno de 16 litros por segundo, na fase mais crítica chegou a apenas 3 litros por segundo e com as chuvas, subiu para 12 litros.

Além disso, a chuva ajudou a normalizar a situação em outras cidades da região. Até metade do mês de outubro, 11 cidades do Sul de Minas que são abastecidas pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) estavam em situação de alerta devido à baixa vazão em seus mananciais.

Agora, a companhia continua com rodízio, que é quando a água é liberada em horários pré-determinados. Contudo, 15 cidades ainda enfrentam o racionamento.




Fonte:g1